quinta-feira, 23 de maio de 2019

Sendo guiado por Deus


Deixe Deus tomar conta 
Da direção de sua vida. 
Ele conhece o fim desde o princípio. 
Sabe qual o melhor caminho a seguir, 
Conhece os atalhos 
Para a felicidade. 
Porque viver dando cabeçadas 
Quando Ele pode te guiar 
Pelo caminho certo? 
Deixe de ser cabeça-dura 
E permita Deus iluminar os seus passos. 
Porque viver tropeçando 
Quando Ele pode iluminar 
E mostrar-te 
Os perigos da estrada? 
Confie em Deus. 
Ele sabe qual é o melhor 
Caminho para você. 
Ele conhece o fim desde o princípio. 

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

terça-feira, 7 de maio de 2019

Vale a pena ter nascido


Por Odair José da Silva 

Quando olhamos para o que acontece a nossa volta e conseguimos ver a beleza nos olhos de alguém há uma felicidade que irradia de nossos corações. O mundo pode parecer um lugar hostil e, muitas das vezes, até mesmo, cruel. Mas, temos que considerar que há uma beleza infinita na alma humana. Deus, o Criador dos céus e da Terra, fez o ser humano com a capacidade de amar e ser amado. E, o amor, é a maior beleza que existe no ser humano. Mesmo em meio as maiores tragédias vemos pessoas demonstrando amor e compaixão pelo próximo. Existem, de fato, muitas pessoas ruins e mal intencionadas vivendo em nossa sociedade. Mas, a beleza do amor em muitas almas faz-nos perceber que a bondade permeia as nossas ações.

Como já dizia o Poeta Fernando Pessoa“às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido”. Essa sensibilidade para a vida nos faz refletir sobre as maravilhas de um Deus de amor. Mesmo em meio as maiores loucuras humanas é possível sentirmos o vento da bondade nos corações de pessoas que tem a missão de tornar esse mundo melhor. Mesmo em meio as calamidades, há pessoas que estendem as mãos para ajudar o próximo a sair dos escombros. O que precisamos é saber de que lado do caminho estamos. Somos seres com personalidade e força de vontade vencer os obstáculos?

Vale a pena ter nascido. Vale a pena porque sei que nasci para fazer a diferença. Para deixar uma palavra de fé e otimismo as pessoas que precisam de uma força. Quem sabe você têm passado por um momento de tristeza. Uma perda, uma decepção, enfim, algo que tenha te deixado triste. Saiba que a vida continua e que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus. Não se deixe abater pelas circunstâncias da vida. Olhe para frente e siga o seu caminho de cabeça erguida sabendo que você é uma pessoa especial e que tem uma missão nesta vida. Acredite nos seus sonhos e Deus vai realizar os desejos do seu coração se estiver na direção de Sua vontade.

Ouça o vento sussurrar em seus ouvidos. Deixe-se tocar pela brisa suave do amor e acredite na vitória em sua vida. Você é especial aos olhos de Deus e chamado para fazer a diferença neste mundo. Deixe-se ser cheio da graça divina e ande nos propósitos do Senhor. Você não está aqui por acaso. Você não é um acidente da natureza. Você é uma pessoa escolhida e separada para um grande propósito antes mesmo de nascer. Faça a sua vida valer a pena.

Mensagem: Odair José, o Poeta Cacerense

sábado, 4 de maio de 2019

A vaidade dos homens


Quero expressar minhas divagações 
Sobre um tema que acho importante 
A vaidade dos homens. 
É fato que a vaidade está em todas as partes 
Que vivemos com vaidade 
E com vaidade vamos morrer. 
E que agonia é essa? 
A vaidade no meio da agonia nos faz saborear a ostentação 
Fazem-nos desejar o luxo 
E isso é a vaidade nos homens. 
De todas as paixões a que mais se esconde é a vaidade 
Camuflada em alguns 
Expostas em outros. 
E quando nos sentimos injustiçados 
A vaidade nos inspira aquele modo de vingança. 
O que somos nós mais do que aparências? 
E se vivemos de aparências 
Não dançamos agarrados à vaidade? 
Por que sacrificar a vida e se tornar herói? 
Na esperança de perpetuarmos o nome 
Somos os mais vaidosos de todos. 
Logo cairemos no esquecimento das pessoas 
Que estarão preocupados com suas vaidades! 
A vaidade diminui com o passar dos anos? 
 Não. Apenas muda a sua forma de ser. 
Se a melancolia nos desterra para a solidão 
Por que sermos vaidosos? 
O tédio de dias tenebrosos 
A solidão de abandono 
Nada é mais do que a vaidade de nossos corações. 
A inveja é vaidade 
É querer o que de outro é. 
Só a vaidade sabe dar existência as coisas que não têm 
Tornando-nos idólatras 
E desejosos de coisas inúteis. 
Na lei natural ninguém fica isento da dor, nem da tristeza. 
A dor causada pela vaidade 
A tristeza provocada pelos anseios da vaidade. 
A vaidade das mulheres está diante do espelho 
Ao ver a beleza que provoca sente-se feliz. 
Dos homens no entendimento 
Sentir-se-á feliz se considerar um sábio. 
A vaidade do tempo pode ser pensada como o enxergamos 
Olhamos o passado com saudades 
O presente com desprezo 
O futuro com esperança. 
Mas, tudo isso não passa de uma vaidade criada pela nossa mente? 
Os aplausos são os ídolos da vaidade 
E quem de nós não quer ser aplaudidos? 
A vaidade é falta de Deus 
Quando nos afastamos do seu propósito 
Caminhamos no caminho da vaidade 
Vaidade de vaidade, diz o pregador 
Tudo é vaidade! 

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

domingo, 9 de dezembro de 2018

Ter fé é acreditar


Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser.
Santo Agostinho 

Ter fé é acreditar que Deus é poderoso para realizar o desejo de nossos corações, desde que, esses desejos estejam de acordo com sua vontade. Temos a fraqueza de não acreditarmos nos milagres ou nas ações de Deus em nossas vidas. Muitas vezes queremos ansiosamente a realização de um desejo ou mesmo a solução para um problema que nos perturba e pedimos com fé para que Deus possa nos ajudar. Acontece que, não raramente, somos surpreendidos com a nossa incredulidade sobre esses milagres.

Como bem discorre o filósofo fundador da Patrística e consolidador das doutrinas cristãs do século V da era cristã, ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser. Tomar essa atitude demonstra nossa total confiança na sabedoria de Deus sobre as nossas vidas. Demonstra nossa total dependência em sua misericórdia. O que nos impede de receber as bençãos de Deus é que nem sempre estamos dispostos a cumprir a vontade de Deus.

Podemos inferir isso da vida de diversos personagens bíblicos, por exemplo, além de outros personagens históricos que passaram por essa terra. Um dos casos mais emblemáticos que podemos ver é Jonas. Deus o chamou para ser profeta e deu a ele a responsabilidade de ir pregar aos ninivitas. Ele não confiou nos planos de Deus e tomou uma outra direção. Logicamente que teve sérias consequências por ter tomado essa atitude e saído da direção de Deus. Ter fé é acreditar no que Deus estabelece para nós. Entrega teu caminho ao SENHOR, confia nEle e Ele tudo fará.

A mensagem nesse dia é para aqueles que estão passando por momentos de dúvidas e incertezas na vida. Saiba que Deus tem o melhor para você, mas Ele precisa que você confie nEle. Deus quer que entreguemos em suas mãos as nossas ansiedades e deixemos que Ele nos guie até as fontes de água viva. Assine a folha da sua vida e entregue-a nas mãos de Deus. Tenha fé que Ele fará o melhor para você. Isso acontece porque Ele conhece os nossos caminhos e nossa vida e sabe qual é a melhor solução. Mesmo que não entenda no começo, mas logo você verá o agir de Deus na sua vida. A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem. Hebreus 11.1. 

Texto: Odair José, Poeta e Escritor Cacerense 

Leia mais: "O Homem que queimou a Bíblia". - Adquira o seu exemplar com o autor pelo e-mail: odairjsilva79@gmail.com

terça-feira, 3 de julho de 2018

Não deixe vacilar os meus pés


O que devo fazer 
Com os meus pensamentos 
Que insistem em atormentar-me 
Sem dar tréguas a minha alma 
E aos meus sentimentos? 

Tenho em mim um sonho 
Que não pode ser desfeito 
E nessa caminhada 
Com você será perfeito. 

Não deixes vacilar os meus pés 
Pois, contigo quero caminhar 
Em direção ao destino 
Que tenho para cumprir na vida! 

Tu és o meu escudo 
Proteção de todos os males 
Cuida de mim no deserto 
E anda comigo nos vales. 

Senhor Tu és o meu refúgio 
Nas noites de solidão 
Nas horas mais difíceis 
Faço a ti minha oração. 

Não deixes vacilar os meus pés 
Segura em minhas mãos, Senhor 
Faça de mim um vaso novo 
Com o coração de paz e amor! 

Poema: Odair José, o Poeta Cacerense

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Quíron, Nesso, Estevão e a Mulher pecadora: sofrimento, vida e morte


Em breves palavras quero trazer a tona algumas indagações que perturbam minha mente. Compartilho com meus leitores a angústia de querer alcançar respostas para perguntas que, parecem, não têm respostas.

A mitologia grega é envolta de deuses, heróis e diversos personagens. Uso-me dos centauros (metade homem, metade cavalo) para buscar uma resposta. Quíron é um centauro bom. A ele é atribuído a educação dos principais heróis gregos como Aquiles, Ulisses e outros. Nesso é um centauro mau. A ele era incumbido à travessia do rio Eveno. Cada um dos centauros tem a sua história que deverá ser buscada pelos leitores. O que nos interessa aqui é a ligação entre ambos. Os dois são mortos pelo mesmo herói da mitologia grega, isto é, Hércules.

Nesso, responsável por atravessar Hércules e sua esposa Djanira pelo rio Eveno, estupra a jovem esposa do herói grego e é atingido pela flecha envenenada de Hércules. Nesso, na esperança de não morrer, presenteia a mulher que violentou com sua túnica banhada de sangue e esperma. No entanto, morre em agonia pelo mal que praticou na sua animalidade. Quíron, mesmo sem querer, acaba sendo envolvido em uma briga dos centauros contra Hércules quando este estava realizando um de seus trabalhos. Na batalha, Quíron é atingido por uma flecha de Hércules, que envenenada com sangue de hidra, atinge a perna do centauro provocando uma ferida mortal. Acontece que Quíron é imortal, mas, devido à dor imensa que sente, faz um acordo com Prometeu e troca sua imortalidade para que possa se livrar desse sofrimento.

Essa história da mitologia grega me fez buscar dois personagens da Bíblia. Estevão, o jovem diácono de Jerusalém e a mulher pecadora diante de Jesus, também, nas ruas de Jerusalém. A mulher, pega em ato de adultério, foi levada até Jesus para ser apedrejada, já que essa era a lei para as pessoas apanhadas no ato de adultério.

A mulher, como bem sabemos, foi salva por Jesus quando o mesmo desafia os seus acusadores a atirarem as pedras desde que não tivessem pecados. Estevão, por sua vez, mesmo sendo fiel e íntegro diante de Deus, é apedrejado até a morte nas ruas de Jerusalém sem que ninguém possa salvá-lo das pedras.

Situações que nos fazem pensar. Por que uma mulher pecadora é salva de ser apedrejada e um homem justo é apedrejado? Por que Quíron, sendo bom é atingido pela flecha envenenada de Hércules e, devido ao seu sofrimento, deseja a morte, enquanto Nesso, sendo mau, deseja viver ou postergar sua posteridade? O que é o sofrimento? Por que as pessoas sofrem? Onde está Deus diante do sofrimento? Por que crianças inocentes morrem diariamente em solo africano sem que não haja uma intervenção divina? Por que os maus triunfam?

Quíron sofre porque faz o bem. Nesso, por sua vez, sofre porque deixa os seus instintos conduzirem seus desejos. O sofrimento de um o prazer do outro. Como diferenciar a dor do prazer? Como podemos evitar o sofrimento?

Marcel Proust já dizia que “só nos curamos de um sofrimento depois de o haver suportado até o fim”, Dostoiéveski salienta que “às vezes o homem prefere o sofrimento à paixão” e Oscar Wilde afirma que “posso partilhar tudo, menos o sofrimento”. Então, compartilho a angústia e fico com o meu sofrimento.

Odair José, o Poeta Cacerense

domingo, 13 de maio de 2018

Ética Cristã e Sexualidade


INTRODUÇÃO

A sexualidade não deveria jamais ser tratada como tabu, pois é parte natural e integrante de cada indivíduo. O relacionamento sexual é uma dádiva que o Criador concedeu ao primeiro casal, bem como às gerações futuras (Gênesis 2.24).

Se precisássemos de uma razão para explicar porque Deus uniu as primeiras pessoas no Éden, poderíamos declarar que o motivo foi a preservação da família e que a união conjugal pautada nas Escrituras Sagradas legitima a procriação (Gênesis 1.27,28; Salmos 139.13-16).

I - SEXUALIDADE: CONCEITOS E PERSPECTIVAS BÍBLICAS 

Se por um lado a atividade sexual tem seu conceito deturpado na sociedade pós-moderna, por outro lado alguns cristãos insistem em tratá-la como temática proibida. Embora possa trazer incômodo para alguns, a sexualidade humana não pode ser desconsiderada por ninguém.

1. Conceito de Sexo e Sexualidade.

Sexo e sexualidade possuem conceitos próprios, ambos constituem-se atos da criação divina. A união estável de homem e mulher conduz a complementação sexual, e a Igreja abençoa no sacramento do matrimônio.

Relativamente, em biologia, o termo "sexo" se refere a uma condição de espécie orgânica que apresenta de maneira clara e inequívoca a diferenciação entre macho e fêmea, o homem da mulher, seja em seres humanos, plantas e animais.

O termo "sexualidade" tem aspectos gerais, como sua relevância, sua legitimidade, sua instituição divina, indissolubilidade, e importância, etc. Representa o conjunto de comportamentos de pessoas que estão relacionadas com a busca da satisfação do apetite sexual; retrata ações e práticas, seja pela necessidade do prazer ou da procriação do gênero humano.

Segundo as Escrituras, o homem surgiu como alvo de toda a atividade criadora no que diz respeito à terra como habitação especial. Desde o princípio a sexualidade não é símbolo de impureza. Deus não faria nada ruim. Ele planejou e formou o homem, a “coroa da criação”, numa totalidade, incluindo o sexo.

2. O sexo foi criado por Deus. 

As mãos que elaboraram o cérebro, também fizeram os órgãos sexuais masculino e feminino. Aquele que fez a mente, fez também o instinto sexual. A íntima junção de corpos é uma criação divina. O contato íntimo não pode ser considerado sujo e indecente; não deve ser tratado como atitude obscena e desprezível. Ao contrário, se dentro do casamento, que é a união legítima entre um homem e uma mulher, o sexo é algo sublime, digno e bonito.

O enlace matrimonial faz parte do plano de Deus, é a condição que torna o sexo em causa de satisfação pessoal ao casal. O que transforma o sexo uma relação abominável por grande número de pessoas é o seu uso antibíblico (Oseias 4.12; 5.4, Romanos 1.26-27). Com a Queda no Éden, no lugar de aceitação veio vergonha; alegria e amor foram marcados pela dor, pela luxúria e repressão (Gênesis. 3.7, 16). O uso da sexualidade desordenada é uma das razões porque o Pentateuco refere-se às expressões sexuais como uma fonte de impureza cerimonial (Levítico 15.1-18).

No que se refere a viver segundo a vontade de Deus, em relação a sexualidade, é necessário a cada um de nós orientar-se pelos princípios morais e éticos das Escrituras Sagradas. O escritor de Provérbios (5.18-23). recomenda aos cônjuges que desfrutem do sexo, sem neste caso referir-se ao ato procriativo.

3. A sexualidade é criação divina. 

Ninguém ensina ao bebê mamar o leite maternal, porque ele nasce dotado do instinto de sobrevivência. Ele cresce e passa a fazer amizades, assim demonstra ter instinto gregário. Caso a criança se sinta ameaçada, reage defensivamente pois há o instinto de preservação da vida. E neste grupo de estímulos, está contido o impulso sexual que define a tendência de preservação da espécie. 

A sexualidade, em conformidade aos sentidos vitais da constituição e amadurecimento da personalidade, envolve objetivo e componentes mais amplos que a fraternidade. O amor conjugal compõe o instinto sexual, feito de partes psicológicas nutridas nas qualidades físicas dos cônjuges.

A sexualidade ideal do Éden mudou com a queda. O pecador desvirtua o impulso, gera as muitas degradações que desestruturam a sociedade: a depravação física; a baixeza ética e a vileza moral. Contudo, tal situação lamentável não anula o plano do Criador de manter a existência da espécie humana por meio da sexualidade saudável.

Quando se aceita que o desejo humano prevaleça sobre a vontade de Deus, surge a semente da teimosia, esta provoca o endurecimento do coração e morte espiritual.

II – O PROPÓSITO DO SEXO SEGUNDO AS ESCRITURAS 

Os nossos corpos são membros de Cristo e templo do Espírito Santo e não podem servir a promiscuidade (1 Coríntios 3.16 e 6.13, 15, 16). São consideradas práticas sexuais ilícitas: adultério (Êxodo 20.14); incesto (Levíticos 18.6-18); zoofilia (Levítico 18.23); e homossexualidade (Romanos 1.26-27).

O propósito do casamento é "um homem para cada mulher". Esta doutrina também foi apresentada por Jesus: "deixará o homem pai e mãe, e se unirá à sua mulher" (Gênesis 2.24). Mateus 19.5).

As referências bíblicas de Eclesiastes (9.9) e Cantares (4.1-12; 7.1-9) advertem quanto ao adultério. Nos levam a estar conscientes que pessoas casadas têm o direito legítimo de desfrutar a sexualidade de maneira exclusiva com quem se casou. A legitimidade cristã para a satisfação dos apetites sexuais restringe-se ao casamento monogâmico heterossexual (1 Coríntios 7.9).

1. Multiplicação da espécie humana. 

Em Gênesis, capítulo 1 e versículos 18 ao 23, lemos sobre a afirmação do Senhor dizendo que uma raça assexuada ou unissexuada não seria boa. Há o anúncio do propósito divino em criar a companhia feminina para Adão, a companheira idônea capaz de estar no mesmo plano físico, mental, moral e espiritual com ele. Deus fez Eva a partir de Adão e a apresentou a ele para ser sua esposa. Assim está definida a pureza do casamento: um homem, uma mulher, uma só carne (Gênesis 2.18-25).

Deus, ao criar Adão e Eva, quis que os primeiros seres humanos dessem continuidade à espécie. Com propósitos específicos, puros e elevados, dotou-os de sexualidade plena, deu a ambos a constituição físico-emocional atrelada ao instinto e à aptidão ao ato sexual que os capacitou para a reprodução e preservação da espécie humana. Inclusive, diante disso, está registrado na Bíblia: “viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom e foi a tarde e a manhã: o dia sexto” (Gênesis 1.27, 31).

O homem participa da criação ao reproduzir-se. A procriação é o ato criador do Eterno através do homem. Deus criou o ser humano com a capacidade reprodutiva, instituiu o matrimônio e a família, visando a legitimação desse maravilhoso e sublime processo que a mente da humanidade jamais poderá explicar. “Frutificai e multiplicai-vos”, foi a ordem do Criador (Gênesis 1.27,28).

2. Satisfação e prazer conjugal.

Pesquisadores descobriram um hormônio chamado 'ocitocina'. Essa substância química, conhecida como 'hormônio do amor" é liberada no cérebro durante o prelúdio e ao longo do sexo em si. Ela produz efeitos de empatia, confiança e profunda afeição.

De acordo com as Escrituras Sagradas, o objetivo primordial do sexo é fazer o casal procriar. Mas está claro que entre outros motivos para Deus dar origem ao sexo é o homem encontrar satisfação plena no corpo da mulher e vice-versa (Eclesiastes 9.9).

O texto de Provérbios 5.18,19 fala claramente da recreação física e do benefício humano em um nível biológico proveniente do sexo: "Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, como a cerva amorosa e gazela graciosa; saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê atraído perpetuamente". Claramente, os versículos 19 ao 23 recomendam aos cônjuges que desfrutem do sexo, sem referir-se, neste caso, ao ato procriativo; de maneira evidente incentivam a valorizar a união conjugal honesta e santa, visivelmente exaltam a monogamia e a fidelidade.

No Antigo Testamento, por determinação do Senhor, a “lua de mel” durava um ano (Deuteronômio 24.5).

3. O correto uso do corpo.

Os deleites físicos e emocionais, decorrentes do relacionamento conjugal fiel, são propostos por Deus e por Ele honrados. Apenas o ato sexual monogâmico, entre homem e mulher casados entre si, é abençoado por Deus. O desvio do padrão santo implicará punição aos que praticam a imoralidade.

O plano divino sempre foi um único homem para uma única mulher, a união sexual monogâmica, entre o marido e a sua esposa, os consortes formando uma só carne. Deus condena de maneira enérgica a poligamia (Provérbios 5.17, 18).

A sonhada felicidade a dois exerce papel importante ao relacionamento entre os cônjuges. A relação feliz é resultado da harmonia espiritual, cordial, física e emocional. Não é conquistada por meio de abstrações ou estratagema intelectual de um ou de outro. É resultado da observância de regras bíblicas voltadas ao relacionamento interpessoal.

A convivência amorosa, recíproca e sincera, é um preceito primário da preservação do casamento e de toda família. A aliança matrimonial produz filhos que serão, ou deveriam ser, criados para servirem a Deus. Após os filhos deixarem o lar, pai e mãe preenchem a ausência, desde que exista entre ambos o companheirismo sob as bênçãos de Deus.


III - O CASAMENTO COMO LIMITE ÉTICO PARA O SEXO 

O matrimônio foi instituído por Deus em caráter indissolúvel e como limite ético dos impulsos sexuais. A união conjugal é a relação legítima onde a cópula pode ser realizada sem que se incorra em atos pecaminosos. (Gênesis 2.18; Mateus 19.4, 5, 8).

1. Prevenção contra a fornicação. 

A fornicação é o contato sexual entre pessoas solteiras, ou entre uma pessoa casada com uma pessoa solteira. A ordem de crescer e multiplicar não foi dada a solteiros, mas a casados (Gênesis 1.27,28). Deus não quis que o homem vivesse só e lhe deu uma mulher para ser sua esposa, cujo biotipo já era de alguém em fase adulta, fisicamente preparada para a união conjugal.

Durante a passagem de Paulo por Corinto, havia naquela cidade o templo pagão dedicado a deusa Vênus. Ali, mil sacerdotisas, prostitutas, mantidas às expensas do povo, permaneciam prontas para se entregar aos prazeres imorais, como culto a falsa deusa. Alguns cristãos coríntios, que se davam a essa religião, consideravam difícil acostumar-se com a doutrina apregoada pelo cristianismo, que proibia a prática devassa. Enfaticamente, Paulo orienta os cristãos a se casaram, para evitar a fornicação, e proíbe o desregramento sexual (1 Corintios 7.2, 12).

A intimidade e interação sexual é privativa dos casados. O ensino bíblico sobre sexo é que o homem deve desfrutar o relacionamento íntimo com a esposa de modo natural, racional, sadio e amoroso; mas jamais com a namorada ou noiva ou alguém sem nenhum compromisso ou vínculo afetivo.

A sexualidade descontrolada, é descrita nas Escrituras como concupiscência da carne, é a responsável pelos desvios de comportamento que arrastam o ser humano à transgressão carnal da lascívia. Os fornicadores não entrarão no céu: 1 Coríntios 6.18; Gálatas 5.19; Apocalipse 21.8.

2. O casamento e o leito sem mácula. 

"Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará" - Hebreus 13.4. Neste texto, "desonra" diz respeito ao uso do corpo para práticas sexuais ilícitas com ênfase nos casos de relações extraconjugais, com pessoas solteiras ou compromissadas em outro casamento (Mateus 19.9; 1 Coríntios 6.10).

Segundo a vontade de Deus, o casamento deve ser respeitado por todos, não pode ser maculado por ninguém. Alguns desonraram a união conjugal. Embora, muitas vezes, escapem da reprovação humana, porém não escaparão do juízo divino (Mateus 19.6; Naum 1.3).

A mídia consente, promove e exalta o erotismo, a lascívia, a prostituição, e o sexo fora do casamento. De modo irresponsável e pecaminoso, incentiva a prática sexual como instrumento de prazeres egocêntricos. Cabe ao cristão ignorar essas sugestões antibíblicas e cumprir o propósito estabelecido por Deus para a sexualidade.

A relação sexual entre pessoas casadas deve ser exclusiva. 1 Coríntios 7.2, 3, 5 nos diz: "Por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido.' (...) 'Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência". 

CONCLUSÃO

O propósito original de Deus para a sexualidade é que tanto o homem quanto a mulher vivam uma vida feliz como esposo e esposa. E para atingir esta meta no casamento, é necessário cumprir o compromisso diário de fidelidade e respeito ao parceiro, ou parceira de núpcias. Tal aliança implica direitos e deveres recíprocos entre as partes envolvidas.

Em sua vida de casado ou casada, é preciso que mantenha postura equilibrada e responsável, firmada nas promessas contidas na Palavra de Deus. Se você percebe que não cumpre corretamente seu papel no casamento, ainda é tempo de se corrigir. Em primeiro lugar, reconheça o seu equívoco, busque o perdão do Senhor e do seu cônjuge. Depois, recomece com oração e fé em Deus,. Com essas atitudes, o Senhor lhe dará graça para viver de acordo com os preceitos bíblicos. O apóstolo Paulo afirma que o Senhor nos abençoou com todas as bênçãos, isto inclusive significa a habilidade para fazer do casamento um sucesso (Efésios 1.3). A presença de Cristo no casamento é garantia de alegria duradoura (João 2.1-11).

E.A.G.

Fonte: https://belverede.blogspot.com.br/2018/05/Etica-Crista-e-Sexualidade-Valores-Cristaos-Enfrentando-Questoes-Morais-Nosso-Tempo-Douglas-Baptista-Licoes-Biblicas-2-trimestre-2018-Casa-Publicadora-Assembleias-de-Deus-Brasil-CPAD-Escola-Biblica-Dominical-EBD.html